Mensagens

A mostrar mensagens de Dezembro, 2013

Escrever para não esquecer:

Para 2014 melhor gestão de tempo, uma rotina desportiva e, the main thing, (continuar a ter) um trabalho onde me sinta realizada. Para o mundo inteiro saúde, consciência e amor, sempre.

2013

Podia ter sido o ano do desespero. Estava há 3 meses à procura de um trabalho na área (que me enchesse as medidas e não fosse uma chulice pegada) e a tarefa parecia uma missão impossível. Estar em Lisboa deixou de fazer sentido (viver fora às custas dos pais não era opção), decidi o óbvio - voltar para debaixo da asa dos papás -, fiz as malas e aterrei numa casa que, até este ano, nunca tinha sentido como verdadeiramente minha (história de outros capítulos).
O regresso podia ter corrido mal. Voltar à rotina familiar, aos horários estabelecidos, ter de depender de outros para me deslocar, ter o namorado e alguns amigos longe, ter de lavar a louça logo a seguir ao jantar (das piores coisas que me podem pedir!) e ter de aturar as neuras de cada um são pormenores que podiam ter feito alguma mossa. Podia ter-me sentido a mais (conheço casos desses) ou, pior, ter-me deixado ir a baixo com a frustração de não arranjar emprego. Podia ter sido um drama, podia ser hoje uma feiosa solitária com…

Obrigada, Pai Natal

Jantámos sem discutir - preparámos todos o jantar! -, ninguém saiu da mesa mais cedo e vimos um filme, os quatro no sofá (não me lembro mesmo da última vez que o tínhamos feito). Carne na pedra e o Trip de Família são elementos pouco convencionais para uma véspera de Natal mas o importante é que funcione - e funcionou (como há muito não funcionava).
Lidamos com vários "issues" todos os dias, o ambiente está longe de ser pacífico e eu não sei se estou presa a memórias boas, se a uma esperança utópica, se aos genes. Sei que gosto muito de todos e que me mói o coração quando não funciona. Desta vez funcionou e eu agradeço: nenhum presente iguala esta paz de espírito.

Furacão Dezembro

Corro o risco de só me aperceber a quantas ando lá para meados do mês que vem. Até lá, muito (muito, muito) trabalho, muitas festas de aniversário, muito Natal, muita família, muitos amigos, muita correria e uma Passagem de Ano que, para já, é algo completamente indefinido. Se não nos virmos mais: boas festas, pessoas bonitas.

Como se pedir fosse suficiente

Apetece-me pedir tudo e mais um par de botas (ou vários) para o Natal.

Ponto da situação #6

Estou de volta ao escritório depois de quase duas semanas fora - em contacto com alguns clientes, a ajudar numa das lojas, a tentar equilibrar as tarefas urgentes com a absorção de feedback e o surgimento de ideias, a chegar a casa sempre por volta das 21h00 e sempre a correr. Estou de volta depois de uma breve pausa para retomar o fôlego, depois do maior corte de cabelo dos últimos dez anos e depois de passar o nível de Candy Crush mais lixado com que me deparei até à data. Estou de volta ao edifício do frio, aos almoços solitários e à rotina que não condiz comigo, mas que aceito porque faz parte. Tenho uma pilha de anotações e post-its para organizar fruto da correria dos últimos dias, há ideias a fervilhar, estou sem ponta de sono mesmo estando no período crítico pós-almoço e sinto-me inspirada. Gosto disto, boa tarde.

Uauauauauauau

Os Silence 4 estão de volta!!!!!

Das folgas

Ao fechar os olhos ainda vejo produtos e clientes mas, quanto a isso, nada a fazer: o cérebro leva o seu tempo a abrandar o ritmo. O corpo, esse, abranda com todo o prazer.

Ainda Leiria

Imagem
Ou parte dela, com cores de Outono e frio de Inverno.