I Am'sterdam

Há um ano estávamos numa das cidades mais fixes da Europa. Aquela onde existe tudo e tudo coexiste tão bem. Uma cidade livre, mente aberta, diversificada, cheia de vida e cheia de gente, sem se tornar sufocante. A sério, que outra cidade conjuga tulipas, bicicletas, drogas e sexo no mesmo cartão de visita, tudo em plena harmonia? Das que conheço, só Amesterdão. E é esta diversidade que lhe dá piada e a torna única.

Aeroporto de Schiphol - Amesterdão - Abril 2014
Central Station - Amesterdão - Abril 2014



Vistas do passeio de barco, pelos canais - Amesterdão - Abril 2014



Pelas ruas e praças de Amesterdão - Amesterdão - Abril de 2014


Museumplein - Amesterdão - Abril 2014
Hard Rock Café Amsterdam - Amesterdão - Abril 2014


Vondelpark - Amesterdão - Abril 2014
A nossa Coffee Shop preferida, onde ficávamos sentados na montra, descalços (não me lembro do nome :/)


Vistas do último andar da Biblioteca Pública de Amesterdão (A cidade, o museu Nemo e os canais) - Abril 2014


Flower Market - Amesterdão - Abril 2014
Loja de Queijos - Flower Market - Amesterdão - Abril 2014


Faltam as fotografias na Red Light District, que não tirámos por respeito às meninas (moças, senhoras e afins) e, no geral, a todos os locais onde fomos à noite - o jantar no restaurante argentino (que nos cobrou 11 maioneses...), os bares/ esplanadas onde fomos no sábado à noite (no bar do karaoke onde o homem foi parvinho e na esplanada onde descobri que as sidras holandesas são péssimas), ou as coffee shops, onde todos podemos, legalmente, comprar e fumar umas joints ou comer uns space cakes (muffins de cannabis, que são um embuste enorme).

Excluindo o passeio de barco pelos canais e um dia inteiro de bicicleta, andámos maioritariamente a pé. Usámos o tram (eléctrico) principalmente no último dia, para nos despacharmos, e andámos uma vez de autocarro, uma vez de nightbus e uma vez de taxi (incrivelmente barato, ainda estamos para perceber como, já que todos os locais nos avisaram de que seria uma roubalheira). Também andávamos diariamente de comboio, por termos ficado alojados fora da cidade (foi impossível arranjar alojamento no centro, para oito pessoas, a um preço decente, pelo que ficámos num Ibis perto do Aeroporto).

Na altura, o comboio custava 8€ (acho que era ida e volta), o bilhete de tram 2,80€ e o nightbus 4,50€. Os voos ficaram em 139€ (ida pela Tap, vinda pela Easyjet, sendo que saímos a uma quinta à noite e regressámos a um domingo à noite, dos dias mais caros). A rede de transportes é óptima e, por isso, há pouco trânsito automóvel. As ruas são ocupadas maioritariamente por peões e ciclistas (autênticos racers, tenham cuidado para não serem atropelados!) e faz-se tudo super bem tanto a pé, como de bicicleta. Em refeições e supermercado, os preços são semelhantes aos praticados em Lisboa. 

Em suma, toda a gente deve ir a Amesterdão uma vez na vida, de preferência antes de se tornar velho conservador. Ah, e vão com amigos, com a família é capaz de ser um bocadinho constrangedor em alguns sítios :)

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Sobre a épica ida ao Porto