Hoje é Dia Mundial da Rádio...

   ... e se me ponho a pensar muito no assunto desato num pranto. Até de acordar às sete da manhã e passar duas horas em transportes tenho saudades: uma chatice que passava assim que entrava no estúdio e punha os phones nos ouvidos. E era abrir o guião, o Facebook, os sites de notícias, o e-mail e os microfones para deixar a magia acontecer - que a rádio é mágica de uma ponta à outra e eu não conheço ninguém que tenha experimentado e não tenha gostado.
   Foram largos meses de amor. Ficamos por aqui, que não quero aceitar que acabou (não acabou, um dia ainda vais voltar a ser a minha casa, rádio).

Comentários

  1. Às vezes dava mesmo jeito trabalhar numa rádio pelo simples motivo de que há muitas estações que só passam musica má, logo há que meter juízo na cabeça das pessoas que lá trabalham e começarem a passar musica bem melhor....

    ResponderEliminar
  2. Já experimentei a gravar umas coisas na RDP e não gostei muito da experiência... Fizemos um improviso no âmbito da cadeira de Oficina de Jornalismo e aquilo correu-me tão mal... que se antes gostava da ideia de fazer rádio, agora fujo delas a sete pés! :(

    *Na Uaç (Universidade dos Açores), tanto a licenciatura em Comunicação Social e cultura como o Mestrado em Ciências da Comunicação são relativamente recentes :/ se calhar é por isso! Quando entrei na licenciatura, ha 4 anos, o curso estava na sua 4 edição, ainda só havia duas gerações de licenciados xD

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom, o mais normal seria gritar contigo: "COMO FUGIR?!", mas vou ser egoísta e ficar feliz por haver alguém na minha área que não me quer fazer concorrência directa :P

      Eliminar
  3. :( Oh querida, imagino o quanto seja doloroso.
    Uma experiência para a vida!

    ResponderEliminar
  4. Acredita, acredita e continua a acreditar. A paixão move-nos e a esperança foca-nos.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Escrito em Fevereiro de 2016