Reflectir / As 1001 Noites

Já aqui disse algures, mas repito: vão ao cinema ver "As Mil e Uma Noites", de Miguel Gomes. São três volumes (neste momento está em cena "O Desolado") que, para mim, são de longe o melhor retrato do país alguma fez feito em cinema. É baseado em factos recolhidos por jornalistas e está simplesmente genial. Uma obra de arte feita com a nossa realidade, que nos faz pensar naquilo em que o país se tornou desde que recebemos a Troika.

Esta trilogia baseia-se, na sua forma, no clássico "As Mil e Uma Noites": temos uma Xerazade que tenta, noite após noite, entreter o Sultão com histórias sobre um povo que vive sob a alçada de um programa de ajuda financeira que a todos - quase todos - rouba dignidade e qualidade de vida. Estas histórias são a nossa história, contada de uma forma bem original, num retrato cheio de símbolos e pormenores geniais. 

Falta estrear o terceiro volume. Não fui pesquisar nada mas, tendo em conta que o título é "O Encantado", algo me diz que incidirá nas ilusões que este período criou - aquelas mentiras que o Governo conta traficando números, subvertendo factos - e o real impacto de tudo isso. Por outro lado, poderá ser uma hipótese fantasiosa da libertação do povo português. Talvez.

Para a semana saberei, em mais uma ida a Coimbra, numa metáfora perfeita sobre o estado de Portugal: uma obra de arte, que recebeu os mais rasgados elogios da crítica internacional, só está disponível em cinco cidades do país. Parece anedótico.

De resto, este filme é um apelo brilhante à reflexão. Domingo é um dia crucial.

[Publicação editada.]

Comentários

  1. Estou ansiosa por ver. Desde que vi o 'Meu querido mês de Agosto' fiquei mega fã do Miguel Gomes, que é brilhante!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Sobre a épica ida ao Porto