Deixem-se andar!

Pessoas em início de carreira, cuja experiência se resume a estágios não (ou muito mal) remunerados, que descartam a possibilidade de trabalhar na área, com contrato e a ganhar mais do que o ordenado mínimo*, só porque a oferta de emprego não é na cidade onde residem, deixam-me revoltada.

É claro que há algumas justificações plausíveis como ter filhos, ter alguém doente a seu cargo, a cidade ser tão longe e tão cara que o que se ganha não chega para suportar as despesas, ser-se simplesmente rico e não estar para se chatear muito com o assunto, por aí.

Agora malta com vinte e poucos anos? Sem qualquer encargo? Sem herança choruda? Preferir ficar em casa dos papás só porque a comida vai para a mesa como que por um toque de magia? Sacrificar a carreira (ou seja, uma vida) pura e simplesmente porque mudar para uma cidade que não seja capital não é cool?

O comodismo desassossega-me. Como diz a S., e bem, todos temos um prazo de validade para entrar no mercado de trabalho. Se três anos depois de terminar a licenciatura o indivíduo continua com o CV em branco no que diz respeito à sua área dificilmente se torna atraente para um empregador, capiche?

Além disso, há pessoas a tentar a sério. Pessoas que por força de circunstâncias que vocês nem sequer sonham não podem largar tudo para agarrar uma oportunidade. Pessoas essas que vocês, os mimadinhos queixosos, ofendem sempre que dizem que "está difícil".

Das duas uma: ou deixam de se queixar, ou passam efectivamente à acção. Agora andar a dizer que está mau, pedir ajuda e recomendações, e no fim mandar tudo à fava só porque não vos enche as medidas todas, é feio. Descredibiliza-vos e revela imaturidade, entre uma série de outras leituras que podem ser feitas a esse tipo de atitudes. É mau para vocês e... irrita muito quem acreditou que se estavam a esforçar e tentou ajudar.


[*é triste dizer isto mas hoje em dia, a recibos verdes, há muita gente qualificada a ganhar menos do que o salário mínimo]

Comentários

  1. bem verdade.. o comodismo desassossega e preocupa para o futuro!
    ***

    ResponderEliminar
  2. Não reclames com essas pessoas, afinal o mundo sempre precisará das pessoas preguiçosas para a palavra "trabalhador" fazer sentido :P

    ResponderEliminar
  3. É a conversa do costume. Fica bem dizer que se está mal e nesta vida de licenciados desgraçados, ai de quem diga que prefere ficar em casa dos pais! Mais vale dizer que está difícil...

    ResponderEliminar
  4. Felizmente, tive a sorte de arranjar emprego perto e mesmo assim, quando saí da escola estive um ano sem arranjar nada. Mas se tivesse mesmo de ir para longe, que remédio. O dinheiro não cai das árvores. Enfim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu saí de casa para estudar em 2006 e desde aí que não voltei "a sério". Se entretanto encontrares uma semente de uma árvore das patacas, avisa!

      Eliminar
  5. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderEliminar
  6. Concordo contigo. É verdade que há razões plausíveis para isso, mas só pelo facto de ter de ir para uma outra cidade acho falta de vontade de trabalhar. Assim não vai longe.
    beijinho

    ResponderEliminar
  7. É triste mas é a realidade. Podemos não estar no melhor momento, os jovens podem não estar na melhor fase nem no país que mais os apoia mas tens toda a razão quando dizes que, ainda assim, há quem descarte de uma forma tão fácil uma boa oportunidade.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Sobre a épica ida ao Porto