Crónica pré-primeiro dia

[Dói-me o dedo.]

Algures entre a contagem regressiva em português do Brasil, os brindes, os acenos à janela do apartamento do Jerome e os M&Ms, pedi as coisas boas do costume e equilíbrio na convivência com o Lúpus, o meu grande desafio para 2015.

Depois de atingir esse equilíbrio onde seria possível sentir-me bem, ter energia para ser o que sempre fui, aceitar tranquilamente as alterações que esta realidade trouxe para a minha vida - figas para que as alterações sejam sempre na medida em que as possa compreender - e viver sem deixar para trás os meus objectivos, viriam os planos.

Acima de qualquer coisa, queria poder estar presente de corpo e alma nos meus projectos, com as minhas pessoas. Não queria parar de crescer. Não queria sentir que a partir do Lúpus ia ser sempre a perder, a abdicar, a estorvar... sei lá!

O Lúpus mexe com tudo. Está pelo corpo todo. Tem efeitos que não podemos prever. Alguns terríveis, irreversíveis, sei disso - e é exactamente por isso que peço equilíbrio em primeiro, porque só depois de me sentir bem e capaz posso avançar para outras vontades.

Este equilíbrio é difícil de atingir e, pior, é efémero, instável e enganador. Contudo, é possível. Acreditei nele devagarinho e fiz a minha lista de objectivos, a concretizar depois de atingir o desejo Nº1. O main goal deste ano? Voltar a estudar.

Não avancei para mestrado assim que terminei a licenciatura porque, antes disso, queria ter uma experiência maior  no mercado de trabalho, perceber exactamente com que áreas da comunicação me identificava mais e onde teria maior possibilidade de evoluir. Depois, queria identificar as ferramentas que me permitiriam atingir os objectivos traçados e encontrar o melhor sítio para as ir buscar.

No ano passado achava que 2015 era o ano: já sabia o que queria, já tinha alguma experiência de trabalho e tinha tempo para poupar. No entanto, adoeci. Perdi a força para quase tudo e as prioridades mudaram. Depois de viver e analisar todos os altos e baixos do meu Lúpus, encontrei a o tão almejado equilíbrio. A partir daí, redefini a estratégia e recomecei a riscar itens da to do list.

Nove meses depois daquela passagem de ano em Paris, dá-se finalmente o parto do item mais importante da lista deste ano: o início as aulas. Caraças, passou tão rápido.

Créditos para a melhor mãe do mundo que me fez tudo em casa permitindo que me concentrasse apenas no trabalho, nos meus projectos e nas minhas pessoas, sentindo-me feliz e realizada. Créditos para a homeopatia (mais uma vez, para a minha mãe que, desesperada, me levou ao médico). Créditos para a Terra, que é um lugar incrível e inspirador. Créditos para todas as pessoas maravilhosas que conheço.

E agora até amanhã, que vou a correr apanhar o expresso e assistir à primeira aula da pós-graduação. Torçam para que os meus coleguinhas sejam fixes e para que eu não colapse entre tantas viagens para cima e para baixo, matéria para absorver, criatividade para expelir, trabalho para cumprir e vida para viver.

Comentários

  1. Fazes o teu sorriso nº 47 e os teus colegas passam a adorar-te ;)

    ResponderEliminar
  2. Vai soar cliché o meu comentário.
    Mas mesmo longe, mesmo passando a imagem de "distante", tenho muito orgulho em ti. És enorme. Duvida de muita coisa, mas não duvides do que és.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Sobre a épica ida ao Porto