"Desemprego é para fracos"

   "Para os bons há sempre lugar". "Para quem se esforça há sempre lugar". "Para quem corre atrás há sempre lugar". Pois bem, se ainda acreditam nisto digam-me por favor onde está o meu. Ah, e convém que o façam antes de eu ter de ir morar para a rua, que nessa altura não vou ter onde carregar o telemóvel e o computador e depois torna-se chato conseguirem entrar em contacto comigo.

   Nos dois minutos que dispensei a abrir o blogger o telefone não tocou. Foram ignorados mais alguns e-mails e este é só mais um dia de ansiedade que logo à noite é desilusão. À segunda-feira custa mais: ingenuamente (ou numa de não perder de vez a esperança) inventamos que os empregadores não tratam destas coisas ao fim-de-semana.
   Respostas? Raras, mas vão aparecendo: "não estamos a recrutar"/"se pudesses fazer estágio curricular, mas como já não estás a estudar"/"o seu perfil não se adequa ao que procuramos, tente daqui a um ano" (se o meu CV melhorar prometo que sim, mas com "tanta" oportunidade, se calhar nem daqui a dez...).

Comentários

  1. Nem imagino a ansiedade que estás a passar... só te desejo boa sorte e espero que as coisas melhorem... :)

    ResponderEliminar
  2. Joaninha,
    já senti tudo isso, já pseudo-arranquei cabelos e bati com a cabeça careca nas paredes. E sei que dizer isto pode não ser nada, mas confia em ti, no teu potencial...as entidades empregadores são por isso mal agradecidas e mal educadas, não respondem..não perdem 2 minutos para agradecer a quem perdeu o seu tempo a enviar CV e muitas vezes quando alguém "pegou" nessa pessoa o sentimento que vão experimentar é o de arrependimento. Estou a falar, mas não é de barriga cheia..também demorou e como as coisas estão não sei quantos mais meses estarei feliz por dizer que tenho um emprego. Não desistas!Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. É isso que mais lixa: ver pessoas que sabes o quanto valem, o que já fizeram e a vontade que têm e não haver um espacinho para elas. Temos de andar a engolir sapos, a ser mal-pagos (ou a não ser)... sempre a pensar que depois "a coisa pega", mas e se não pegar? Quanto sacrifício é que devemos aguentar, na expectativa?

    ResponderEliminar
  4. Quando a taxa de desemprego era de 7% em Portugal (ainda não foi assim há tantos anos), podia pensar-se que o desemprego era para preguiçosos mas agora toda a gente sabe que arranjar emprego é dificílimo, uma agulha num palheiro,e até os melhores têm de emigrar...Por isso, não se culpe, nem se diminua, a conjuntura explica tudo.Se tivesse a sua idade, pensava seriamente em procurar oportunidades elsewhere...Não desanime nem duvide do seu valor :)


    another blog in the sky

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Ponto da situação

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!

Escrito em Fevereiro de 2016