The End

1 da manhã. 10 araras numa sala de estar de um apartamento.

Tlim tlão, tlim tlão [som de campainha, calam-se todos].

- É a polícia! - exclama alguém.
- Eu não vou lá. - diz alguém.
- Nem eu. - responde outro alguém.
[acho que, de repente, todos se sentiram com 15 anos]

Tlim tlão, tlim tlão.

- Eu vou. - exclamo eu, dirigindo-me ao hall de entrada e abrindo a porta, sem sequer olhar pelo óculo numa de "vamos lá ver o que sai daqui" (costumo safar-me no improviso). Vejo dois agentes, sorrio e digo, super simpática:
- Bom dia!
- Pois... - responde um deles, fazendo um gesto com a cabeça que eu interpretei da seguinte forma "é esse o problema".
É claro que emendei para "boa noite", mas too late.

Conclusão? A minha técnica de improviso nem sempre é a melhor, especialmente quando o jantar é acompanhado de Lambrusco. E escusado será dizer que ele chamou pelo responsável da casa e, portanto, foi igual ao litro eu ter-me oferecido num mar de pessoas de pé atrás, porque não era a pessoa indicada para resolver o que quer que fosse.

Não foram cometidos excessos à excepção dos decibéis, mas tínhamos desculpa: estávamos pela primeira vez, em mais de um ano, todos juntos. A comemorar a missão cumprida, num projecto que durou dois anos e que nos consumiu muitas horas, energia e nunca nos deixou estarmos descansados, como estávamos ontem.

Ok senhores vizinhos de baixo das minhas amigas? Pronto, obrigada pela compreensão.

Comentários

  1. Ai adoro! A sério que isso aconteceu? :)

    ResponderEliminar
  2. ahahaha, tem muito mais graça ler isto do que lembrar os sons xD

    ResponderEliminar
  3. confesso que se fosse comigo, eu também não iria gostar muito :p
    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Para os vizinhos chegarem ao ponto de chamar a polícia, grande há de ter sido a barulheira.Estou como a Marta, se fosse a vizinha de baixo, não acharia gracinha nenhuma...ai,ai, senhora jornalista ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A questão é que, geralmente, se estamos incomodados batemos à porta do vizinho e expomos a situação. E, depois sim, chama-se a polícia. Ali, foi um pouco estranho porque ninguém estava a gritar, não havia música, nem televisão, eram mesmo só 10 vozes que sim, se fazem notar mas não, não, não matavam ninguém ;) Não estou a disfarçar Célia, estou a ser sincera :)

      Eliminar
  5. Tenho a sensação de que devia começar a adoptar esse tipo de medidas com os meus...mas realmente que podiam ter ido falar com vocês antes podiam, sempre se resolvia a coisa a bem.

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Porta-tazos #5 - O puxão de orelhas de aniversário

Porta-Tazos #1 - Viva a nossa camionete!